Black Horse Coffee se destaca pela excelência em cafés especiais

Materia_BHC

Quem diria que entre cafés e conversas no balcão da cafeteria nasceria uma amizade e um projeto tão incrível? Foi exatamente assim que o Filippe e o Matheus se conheceram, quando Filippe era barista de uma cafeteria e Matheus cliente do local. E o sonho dos dois de ter um negócio próprio se concretizou anos depois e com outros três sócios -Ana Paula, Gabriela e Oswaldo- deram vida ao café do Mercado Sehat e a torrefadora Black Horse Coffee.

Eu era entusiasta de café, sempre consumi café especial. E mesmo trabalhando com gestão administrativa em uma empresa que não era do ramo de cafés, tinha vontade de trabalhar com algo que eu realmente gostasse. Quando conheci o Filipe discutimos algumas ideias e surgiu a oportunidade do projeto Black Horse. Somamos o nosso know-how, o dele de ter trabalhado com cafés e ser influente no meio e o meu mais administrativo”, relembra Matheus Matoso, mestre de torra da Black Horse.

Hoje a Black Horse Coffee é referência em Santa Catarina, não só pela qualidade de seus cafés que levam o mesmo nome da empresa, mas também pela sua hospitalidade. A experiência do cliente é um fator tão importante quanto a qualidade do café que oferecem. E está é a missão da empresa e também o maior desafio, que reside em viabilizar o café especial para o consumidor final. A Black Horse está desenvolvendo o consumidor, fazendo com que perceba a qualidade superior de seus cafés, para que haja o entendimento de todo o processo por trás da bebida.

Dentro de uma xícara de café tem um monte de histórias. Tem a pessoa que plantou o café, que cuidou dele no viveiro, a pessoa que colheu, fez o pós colheita, fez o processo de embalar, de transportar, de torrar e até extrair. Temos muito respeito pela história dessas pessoas e pela xícara de café”, comenta Filippe de Simas, Head Barista e assistente de torra na Black Horse Coffee.

Essa valorização da experiência com o café é vista na prática, já que a aplicam não apenas com os clientes, mas também com os fornecedores na escolha dos grãos e também no cuidado e dedicação com a etapa de torra. Até ano passado, a torrefação era terceirizada, mas com o acompanhamento do perfil de torra que desenvolviam. “A torrefação é essencial, mas não existe milagre. É necessário fazer a seleção certa de um insumo de qualidade e desenvolver o perfil ideal para cada variedade, entendendo suas individualidades e características intrínsecas”, ressalta Matheus.

E agora além da forma tradicional de consumir os cafés da Black Horse em uma cafeteria parceira, também é possível comprar as inúmeras variedades de grãos torrados via ecommerce, uma opção a mais para aumentar a acessibilidade aos apreciadores da bebida.

Para ter um controle maior sobre a demanda que vêm aumentando cada vez mais e garantir maior autonomia nesta etapa, os sócios adquiriram um Probatone 5 para ser seu torrador oficial. E além dele, possuem também o Probatino em sua versão Black Edition, -de série nº 001, a primeira edição do mundo- exclusivamente para ser o torrador de amostra, desenvolvendo e definindo o perfil ideal de torra para cada novo lote de grãos de café que trabalham.

A gente escolheu a Probat principalmente por conta da consistência, pela confiança que tenho nos equipamento e pela tradição de mais de 150 anos da empresa. É o que sempre desejamos, um equipamento em que podemos confiar, porque sabemos que ele não vai nos deixar na mão. Como temos um fluxo grande de vendas é primordial que eu tenha essa repetibilidade em entregar sempre o mesmo produto, isso é extremamente importante quando se tem um café exclusivo”, finaliza Matheus.