Saiba porque um dos maiores especialistas em café no Brasil utiliza o Probatino em suas torras

LeandroPaiva

Neto de produtores rurais no sul de Minas, Leandro Paiva sempre teve contato com o mundo do café e sua paixão pelo assunto fez com que ele se tornasse um dos maiores especialistas do país quando o assunto é aferição da qualidade dos cafés. Não por acaso, Leandro é pesquisador e juiz de importantes competições nacionais e internacionais relacionadas a área do café.

Leandro estudou agronomia e foi aos poucos se especializando na área. Fez mestrado e doutorado em qualidade do café, tanto que se transformou num respeitado consultor junto a indústrias e produtores rurais. A medida que ingressou no universo da torra, também investiu em cursos específicos.

Na Universidade de Lavras, no Núcleo de Estudos de Cafeicultura, uma grande referência em pesquisa ligada ao café, aprendi muito sobre melhoramento genético do café. Quando comecei a participar de concursos passei a ter contato com os provadores e naturalmente acabei sendo requisitado para projetos de consultoria envolvendo a qualidade dos cafés. Hoje tenho uma forte atuação como coordenador no Núcleo de Qualidade do Café no IFSULDEMINAS“, frisa Leandro.

O Núcleo do Instituto Federal do Sul de Minas – Campus Machado, funciona como uma incubadora, onde indústrias e produtores rurais contam com cursos, treinamentos, análises de qualidade, além de um laboratório de torra e moagem.

Em sua atuação no laboratório do Instituto, Leandro tem coordenado projetos inovadores, como um programa que ajuda pequenos produtores a produzirem cafés especiais em cápsulas. A iniciativa tem gerado bons frutos, uma vez que os produtores têm acesso a expertise diferenciada e equipamentos de ponta da incubadora. Para a torra dos cafés, o equipamento utilizado é o Probatino.

Segundo Leandro, a escolha pela aquisição do Probatino levou principalmente em consideração a precisão na repetibilidade dos mais variados perfis de torras. Fatores como consistência da torra, precisão das curvas, fizeram a diferença. Leandro, também ressaltou que o Probatino quase não precisa de manutenção.

“Já sabia da fama da Probat há bastante tempo. A marca é muito respeitada lá fora e muitos participantes de campeonatos confiam em seus equipamentos. Inclusive já tive a oportunidade de conhecer a fábrica da Probat na Alemanha durante um projeto de consultoria que realizei para um fabricante que investiu na aquisição de alguns equipamentos da empresa. Nos laboratórios da Probat aprendi muito sobre os processos de avaliação da qualidade dos cafés torrados”, ressalta Leandro.

Leandro também já foi juiz em importantes campeonatos de torra, que normalmente exigem muito do equipamento como por exemplo, torrar 1.700 amostras provenientes de 200 municípios ao longo de 1 semana, com torradores trabalhando 24 horas. E nestes casos, é fundamental que o equipamento ofereça não apenas precisão, mas também confiabilidade.

“Em grandes concursos precisamos torrar milhares de amostras de café durante longos períodos. É uma verdadeira prova de fogo para os torradores. Por isso, nada melhor do que usar um Probatino. Ele cumpre muito bem o seu papel trazendo precisão e absoluta confiabilidade nas torras”.