palavra-de-mestre_entrevista

Quarta geração de uma família produtora de café, Bruno Souza descobriu cedo a sua paixão pela torra. Ainda pequeno ele ajudava seu pai e seu avô na colheita de grãos na fazenda em que vivia. Bruno cresceu e decidiu buscar fora do Brasil novas ideias para trazer inovação para o mercado de cafés especiais, o que motivou a criação, anos  mais tarde, da Academia do Café.

Durante o período que viveu nos Estados Unidos, Bruno percebeu a importância de recuperar a imagem do café brasileiro. O propósito da ida ao país norte-americano veio por meio da necessidade de vender o café verde.

Porém, após conhecer os equipamentos de torra da Probat, Bruno decidiu voltar ao Brasil para investir na produção de cafés especiais que nessa época já era um conceito bem difundido em outros países.

Ciente das possibilidades e também dificuldades que encontraria em empreender no Brasil, Bruno retornou ao país para abrir em 2011 a Academia do Café. A cafeteria conta com laboratório com tecnologia de ponta para avaliar e atender as reais demandas do mercado de cafés especiais. “Tivemos a oportunidade de conhecer muita coisa boa quando estávamos fora do Brasil.

O mercado americano é muito diferente do brasileiro, por isso, quando retornei decidi implantar a Academia do Café com o objetivo de dividir um pouco sobre tudo o que aprendi”, conta.

A Academia do Café reúne em só lugar tudo aquilo que profissionais, comerciantes e amantes do café apreciam: qualidade, tecnologia e aperfeiçoamento das técnicas de torra. Por meio do centro de formação para degustadores, baristas e classificadores de café, é possível conhecer e estudar a real essência do café e tudo o que envolve o processo de obtenção da torra ideal.

“Desde que a Academia do Café foi criada, já ministramos cerca de 15 cursos específicos sobre cafés especiais”, afirma Bruno.

Parceria de sucesso da Academia do Café com a Probat Leogap

O primeiro contato de Bruno com a Probat foi nos Estados Unidos. Lá, além de conhecer e aplicar novas técnicas de torra, ele optou por trabalhar com a linha de equipamentos de torra da Probat pelo alto nível de performance.

“Nos Estados Unidos tive a oportunidade de fazer torras em diversos equipamentos, e desde então, a marca Probat está entre as minhas favoritas”.

Quando questionado sobre os diferenciais da Probat, Bruno não hesita em dizer que entre os motivos de escolher a marca. A elevada qualidade nos materiais de sua construção que proporcionam uma durabilidade sem igual, além da alta precisão e o suporte dado pelo time técnico.

Ao longo dos anos Bruno elegeu o seu modelo preferido: o Probatino. Além de já ter indicado para vários clientes, Bruno utiliza a versatilidade e performance do microtorrefador durante os cursos e workshops que ministra na Academia do Café.

“Para mim o Probatino é o melhor torrador de amostras do mundo. Com ele consigo transmitir o conceito de torra ideal aos alunos que já começam torrando 200g com o equipamento”, destaca.

Com vasta experiência e cases sucesso espalhados pelos Estados Unidos e na Europa, Bruno não abre mão da qualidade e conhecimento que adquiriu ao longo dos anos na busca pela torra ideal.

Aliar a técnica com o bom desempenho dos equipamentos Probat é o segredo para ter se tornado um grande especialista na torra de cafés especiais.